Onde pode simplificar mais?

A nossa vida é desperdiçada com detalhes, simplifique, simplifique – Henry Thoreau

Um dos exercícios de Chi Kung Terapêutico, que ilustra a integração do processo de simplificação no dia a dia, é o balançar dos braços em frente ao corpo.

Este era um dos exercícios, praticados pelos operários chineses, antes de começarem a trabalhar – a sua prática era executada durante 20 minutos.

A minha sugestão, é que o pratique hoje durante 5 minutos e ao fim desses 5 minutos pergunte a si mesmo:

“Conseguiria manter este exercício durante mais 15 minutos?”

Se a resposta é sim, significa que captou o essencial deste exercício – um exercício sem esforço, que utiliza a força da gravidade a favor do praticante.

Se a resposta é não, significa que pode simplificar a sua execução. Que está a fazer de mais, quando o desafio é fazer o menos possível.

Essa simplificação pode passar por:

  • Subir menos os braços
  • Aproveitar o movimento de descida, que vai impulsionar depois o movimento de subida.
  • Não suster a respiração
  • Manter os joelhos relaxados
  • Manter a face relaxada – sorrir.

Esta metáfora pode ser também transposta para o seu dia a dia.

Especialmente, quando o cansaço se vai se instalando ao longo do dia, ao longo da semana ou ao longo dos anos. Nessa altura pode:

  1. Praticar este exercício, com uma regularidade diária de 5 a 20 minutos.
  2. Perguntar-se onde pode simplificar a sua vida – o que está a fazer demais e que é desnecessário, por si ou pelos outros.
  3. Perguntar-se se consegue manter o seu ritmo actual – por mais 15 anos.

Simplificar, simplificar.

Boas práticas.

Este exercício foi retirado do programa Chi Kung Fundamentos

Em que estação me sinto hoje?
Água com Limão, Quando, Como e em que Quantidade