Diagnosticar o seu Fígado segundo a Medicina Tradicional Chinesa

Para além da fisiologia energética e dos meridianos, na teoria da Medicina Tradicional Chinesa, todos os órgãos do seu corpo têm funções como se de um governo se tratasse.

São como oficiais, com desempenhos específicos e determinados. Um corpo saudável, é assim comparado pela Medicina Tradicional Chinesa a um governo justo e em harmonia.

Esta atribuição de funções, auxilia a uma melhor compreensão de cada órgão, não só no diagnóstico mas também no tratamento do mesmo.

“O Fígado é o general das forças armadas, a avaliação das circunstâncias e a criação de planos são da sua responsabilidade” – Livro do Imperador Amarelo, Capítulo 8.

Esta passagem, associa o Fígado à visão e ao planeamento. Se, como um general, é a clareza desta visão que lhe permite vencer as batalhas, é também a clareza desta visão, que lhe permite planear e ultrapassar os desafios do seu dia a dia.

Se observarmos o Fígado numa perspectiva sazonal, a Medicina Tradicional Chinesa inclui este órgão na Primavera. Porquê na Primavera? Porque o planear requer criatividade e inovação. Porque o planeamento, leva à criação de algo novo, tal como é a característica da Primavera – as plantas germinam e as flores depois do frio do inverno florescem.

Este processo criativo é por vezes doloroso, desafiante e frustrante quando não é concretizado. Mas é extremamente libertador quando acontece.

Tradicionalmente esta associação de ideias leva a que o diagnóstico do Fígado possa passar – não só mas também, pelas seguintes perguntas:

  • Como é a sua visão?
  • Qual a sua reacção quando encontra bloqueios no seu percurso de vida?
  • Com que facilidade inicia novos processos, como abraça a mudança e a inovação?
  • Como se sente na Primavera?

Como é a sua visão?

Qual é a sua visão no dia a dia? Consegue durante as primeiras horas, depois de acordar, ter uma visão clara de como vai ser o seu dia? De planear o essencial e não se distrair com o acessório? Consegue ver bem ao longe e ao perto sem necessitar de óculos? A visão do seu futuro – Tem uma visão de como gostaria de viver? A sua realidade corresponde a essa visão?

Qual a sua reacção quando encontra bloqueios no seu percurso de vida?

Reage com frustração e raiva às contrariedades da vida, ou vê esses acontecimentos como oportunidades criativas? Sendo a raiva também uma emoção e como tal importante de ser expressa – Quando foi a última vez que se zangou a sério?

Com que facilidade inicia novos processos, como abraça a mudança e a inovação?

Porque o começo do dia, representa a renovação diária – Quando acorda levanta-se sem dificuldade da cama? Quando foi a última vez que expressou a sua criatividade, no sentido de iniciar um novo projecto? Qual é o seu sentimento sobre a novidade – estudar sobre temas novos, viajar para locais que não conhece ou iniciar novos hábitos de vida?

Como se sente na Primavera?

É a Primavera a sua estação preferida? Ou nem por isso. Sente-se com energia agora que a Primavera começou? – Segundo o calendário chinês, teve inicio no dia 19 de Fevereiro com o ano da cabra. Desconforto, cansaço, irritabilidade e apatia criativa – de querer fazer mas não ter energia para isso, significa em primeiro lugar, que no Inverno não descansou o suficiente para permitir iniciar esta nova estação utilizando todo o seu potencial. Irritabilidade pode significar que o seu processo criativo não está a encontrar expressão no mundo. Algumas por falta de energia, outras, por à sua volta, existir a sensação que tudo está demasiado complicado, que tudo dá muito trabalho para ser movido ou concretizado. Que é preciso simplificar e inovar alguns aspectos da sua vida.

Estas respostas não têm cotação. Servem de reflexão para si sobre o estado da sua energia de arranque, sobre o estado da sua energia mais jovem – da sua criança interior.

Boas práticas.

Retornar à essência, o que os rins gostam - inclui vídeos.
As traves estão prontas senhor