Chi Kung Radical – inclui vídeo

Não, não é uma nova moda.

Cultivar a Arte da Quietude formal, ou informalmente, é o manifesto mais antigo que o homem tem ao seu dispor, para lidar com todo o movimento à sua volta.

A julgar pela história desta arte, nunca existiu um praticante de Zhan Zhuang Chi Kung famoso no passado. Sabe-se que existiram, mas não deixaram vestígios precisos ou livros escritos.

Esta prática pode ir de um minuto a 60 minutos – ou mais.

Mais tempo aqui, não significa ser mais produtivo, obter mais, ser promovido, ou ganhar uma medalha.

A quietude, não é algo popular quando é mostrado às visitas ou aos colegas de emprego, comparativamente como o último gadget que possa ser adquirido.

Quem pratica, sabe que é por si e para si e que ao cultivar a quietude define uma linha clara, daquilo que é essencial na sua vida daquilo que é acessório.

Sabe que isso não o livra de envelhecer, passar pelos desafios da vida, adoecer e mesmo morrer.

E mesmo assim, todos os dias, apesar das probabilidades desta prática poder disparar os seus picos de popularidade serem bastante remotas  – pratica, reflecte e contempla o corpo, a respiração e mente.

Percebem porque pode ser tão radical abraçar a quietude?

Boas práticas.

Qual é o saldo?
Retornar à essência, o que os rins gostam - inclui vídeos.