O valor justo

Um dos nossos passos para uma vida mais sustentável, nestas últimas semanas, tem sido o de quando compramos vestuário ou outros produtos procurar que seja português ou quando muito fabricado na Europa.

Deixou de fazer sentido para nós adquirir sem refletir sobre a proveniência dos mesmos. Ao não questionar, ignora-se que
maioritariamente tudo o que provém do oriente foi produzido em condições de trabalho e remuneração duvidosas.

A primeira questão que surge quando se procura adquirir vestuário ou mesmo outros bens que sejam produzidos no ocidente é o valor.

Este é mais elevado que o habitual em cadeias de lojas de vestuário ou outros bens.

No entanto, essa é uma diferença de perspetiva:

Não são os produtos portugueses que têm um valor alto, são os que são provenientes do oriente que têm um valor baixo – tendo em conta as condições que são produzidas – extremamente vantajosas para quem vende, para quem compra mas que podem ser bastante injustas para quem produz.

Boas práticas.

Receba o nosso programa de regeneração pessoal

Entregue directamente na sua caixa de correio, durante os próximos 15 dias